Carros de Dilma, Temer e Cunha


dilma-fiatCom tantas mudanças na politica do país, vale a pena lembrar quais carros que as principais figuras políticas chegaram a declarar em suas últimas eleições.

Dima Rousseff (PT):
A presidente afastada declarou na época da eleição que possuia um Fiat Tipo, modelo 1996 avaliado em R$ 30.642.

Michel Temer (PMDB):
O então presidente declarou possuir um Audi A3 2003 blindado, avaliado em R$ 282.000 e um Chevrolet Vectra Elite 2006 avaliado em R$ 50.000.

Eduardo Cunha (PMDB):
Da reportagem, o mais fã de carros: na lista declarou um Toyota Corolla 2007 (R$ 60.000), um Ford Edge 2012 (R$ 120.000), um Ford Fusion 2006 (R$ 60.000), e um belo Porche Cayenne (R$ 429.000) em nome da sua empresa, jesus.com.br

Quer saber de outros como Suplicy, Aécio ou o Alckmin? Confira na matéria completa do Estadão.

3 Carros Esportivos e Econômicos

A potência dos carros vem sempre com uma relação de serem beberrões. Mas graças a evolução da tecnologia coligada a exigência do mercado automotivo para modelo mais eficientes temos hoje carros que são bem potentes e ao mesmo tempo tão econômicos quanto um modelo comum.

Abaixo 3 modelos esportivos que provavelmente devem ser mais econômicos que muitos modelos brasileiros:

3. Nissan 370z:
nissan-370z
Adorado não só por japosenes, o 370z também é conhecido como Nissan Fairlady e seu motor V6 é capaz de mandar o modelo da inércia a 100 Km/h em 5,2 segundos, produzir 332 cavalos de potência. E mesmo com toda essa cavalaria, o modelo faz modestos 8,1 Km/L na cidade e 11,1 na estrada.

2. Audi TT:
audi-tt

Um dos ícones da Audi, também não deixa a desejar na performance: motor é um 4 cilindros 2.0 capaz de desenvolver bons 211 cavalos de potência, 0 a 100 km/h em 5,3 segundos e seu custo vai de 8,5 km/L na cidade a 12,8 Km/L na estrada.

1. Ford Mustang:
ford-mustang

Ok, sabemos que carros músculo, ou nesse caso um pony car não seja assim exatamente um exemplo de bom consumo, mas o Mustang pode se orgulhar de possuir um belo motor V6 capaz de produzir 305 cavalos de potência, ir de 0 a 100 Km/h em 5,8 segundos e ainda fazer por volta de 8,5 Km/L na cidade e 13,2 Km/L na estrada!

Menção Honrosa ao Chrysler 300:
chrysler-300

Ok, não é um esportivo mas vale pela “mágica” feita no motor, que por sinal também vai para seus irmãos maiores, da linha Hellcat: motor HEMI V8 6.4 e produz mais de 460 cavalos de potência. O motor porém é dotado de uma tecnologia chamada “Interactive deceleration fuel shut off”, ou como iDFSO. Ela consiste em “desligar” metade do motor quando percebe que não é necessária muita potência. Ou seja, quando não é necessária toda a cavalaria de quase 500 cavalos, o motor “desliga” 4 pistões, fazendo o consumo cair drasticamente: 14 Km/L na cidade e 23 Km/L na estrada.

Fonte e Fotos: Elhombre

Editorial: Faróis Baixos

farol baixo e DLR
Farol Baixo ou DRL? Porque não os dois?

A lei que obriga o uso de fatos baixos está realmente dando muito o que falar no trade automotivo. Dentre as opiniões mais diversas, as mais frequentes são de críticas. Dentre as várias citadas, a da não especificação do DRL (Daytime Running Lights), e da suposta indústria de multas.

Longe ter a palavra final, ainda mais de ter a razão. Sei que há vários fatores que indicam a indústria da multa e muitos outros fatores que poderiam ser considerados para se aprovar a lei, que está longe de ser perfeita.

Porém consideremos: uma lei que está tramitando há anos no (congresso?), num país em que as coisas mal funcionam. Podemos considerar que é uma forma de tentar diminuir de uma forma eficaz e quase sem custo um mal que ninguém vê: o de ser visto no trânsito. Porque se pensarmos em dll em todos os carros, o custo para implantar seria muito alto para veículos que nem sequer a manutenção preventiva é feita.

Sabe-se e é até recomendável trafegar de faróis baixos ligados durante o dia para uma maior visibilidade. Então agora porque tornam obrigatório mediante multa, ficam criticando? Se aquele que tem um carro com DRL e acha o fim da picada ficar ligando seus faróis, poxa, porque não ter um pouco de paciência? É uma ordem natural, assim como Airbags, freios Abs que os DRL sejam cada vez mais frequentes, a ponto de serem obrigatórios.

Então porque não um pouco de convicção, de otimismo? De parar de reclamar por reclamar e começar a criticar com o intuito de melhorar? A lei a meu ponto é sim bem vinda, porém tem de ter um período de adaptação e sim tem de ser levado em consideração os DRL que foram feitos para o dia.

Fotos: Wikipedia (2)

Supercarros da Policia de Dubai

Um aperitivo da felicidade que deve ser guiar um dos super carros da polícia de Dubai: um sonho de poucos

Audi RS7 – Pilotagem Autônoma

Já sabemos que os carros autônomos são uma realidade bem próxima. Se você não viu, poderá conferir aqui e aqui dois posts que fizemos sobre direção autônoma e como cada vez mais ela está influenciando o modo de vermos as máquinas. E dessa vez, a Audi se superou, chegando a colocar a tecnologia em um RS7 preparado para a corrida.

O modelo fez curvas usando da melhor tangência, digno de um piloto profissional. Isso deve ter assustado um monte de gente, afinal, em quanto tempo vai demorar para que uma máquina dessas seja tão bom (ou até melhor) do que pilotos profissionais? Para quem não se impressionou, o carro autônomo foi 5 segundos mais rápido do que um motorista convencional na pista. Eu sei, não é uma comparação ao piloto, mas é um passo importante.

Veja o vídeo e comente sua opinião!

Como Chegam os Importados no Brasil?

Por navio. Avião acaba triplicando o valor da importação, então essa opção é só para endinheirados. Além de já caros, os importados tem diferentes portos de entrada pelo Brasil, dependendo aonde a marca é mais forte e sua estratégia de distribuição: de acordo com a Car and Driver, a regra geral é usar o porto mais próximo de seus centros de logística ou de futuras instalações. Confira abaixo e no mapa onde cada fabricante encomenda seus importados:

  • Itapoá (SC): BMW e Mini.
  • Paranaguá (PR):  Volkswagen (sul, sudeste e centro oeste).
  • Rio de Janeiro (RJ): Chrysler, Dodge, Fiat. Jeep, Nissan, Peugeot e Citroën.
  • Rio Grande (RS): Chevrolet.
  • Salvador (BA): JAC.
  • Santos (SP): Fiat, Honda, Mercedes Benz, Mitsubishi, Suzuki, Ferrari, Masserati, Rolls Royce e Lamborghini.
  • Suape (PE): Volkswagen e Chevrolet (norte e nordeste).
  • Vitória (ES): Audi, Chery, Hyundai, Jaguar, Land Rover, Toyota, Lexus, Kia, Volvo e Porche.
  • Uruguaiana (RS): Toyota (Hilux e SW4).

carros_importados_brasil

Fonte: Car and Driver

Volkswagen Pode Virar Auto Union

Volkswagen
Auto Union?

Alguns executivos do grupo Volkswagen estão considerando o fato de rebatizarem o grupo de Auto Union. Isso, pelo menos [e o que diz um site de notícias australiano. De acordo com o GoAuto, isso poderia tirar a {…} famosa de que os carros da Volkswagen são todos populares. Faz todo o sentindo partindo do princípio de que o grupo possui marcas premium como a Audi, Skoda, Seat e outras mais esportivas luxuosas como a Lamborghini, Bentley e Bugatti. A Auto Union é considerada o começo da marca Audi, resultado da fusão de 4 marcas, Audi, DKW, Horch e Wanderer. O resultado da fusão também foi as 4 argolas uma em frente a outra que a marca luxuosa usa até hoje!