Outros Pilotos que Desistiram da Aposentadoria

A volta da aposentadoria não foi algo inventado pelo Felipe Massa. Antes dele, muitos pilotos também voltaram atrás. Alguns com sucesso, outros nem tanto:

  • Michael Schumacher:
    Schumacher saiu em 2006 depois de conquistar a grande maioria dos recordes da F1 pela Ferrari, se aposentou em seu auge. Quando voltou, pela Mercedes em 2010, seu desempenho deixou muito a desejar, alguns questionando até seus reflexos. Apesar disso, a forma como o carro da Mercedes evoluiu para a época foi de fundamental importância para despontar.
  • Alain Prost:
    Em um momento sabático, deixou a Ferrari em 1991 e por contrato não podia correr em outra equipe em 1992. Livre em 1993 fez acordo com a Williams e venceu o campeonato com folga. E dai se aposentou de vez.
  • Kimi Raikkonen:
    O mais velho ainda ativo na F1, o caso de Raikkonen foi complicado: deixou em 2010 a Ferrari, foi substituído pelo Fernando Alonso. No hiato, experimentou várias categorias, dentre elas, rally. Voltou pela Lotus Renault, e conseguiu reavivar a carreira novamente pela Ferrari que está até hoje.

Quer saber de outros famosos como Niki Lauda, Nigel Mansel e outros que voltaram depois da aposentadoria? Confira a matéria completa no Uol Esporte!

Anúncios

Desvendando o Estilo de Hamilton

ham
Sim, há diferenças sutis

Uma matéria excelente no Projeto Motor, se você ainda tem alguma dúvida com relação a maestria de Hamilton diante da normalidade de Nico. Se ao menos pudéssemos contar com um Alonso mais competitivo, a discussão seria grande, lenta e  equilibrada;

“Como costuma frear mais tarde, Hamilton permanece em linha reta por mais tempo na aproximação de uma curva do que aqueles que reduzem antes e, consequentemente, tomam a trajetória mais cedo. Porém, quando inicia a sua tomada, o inglês mostra controle magistral da traseira do carro, que escorrega no limite de sua aderência, mas sem perder estabilidade.”

Leia mais no Flatout!

5 Fatos Sobre o GP da Austrália 2015

hamilton
Hamilton no pódio. Fonte: Formula1.com

O primeiro round da Formula 1 de 2015 trouxe notícias boas e ruins. Dentre elas, prefiro ser mais otimista, pensar que esses erros vão ser corrigidos, ou ao menos amenizados:

  1. Poucos carros no grid: o fato não me incomodou muito pessoalmente, mas pode assustar puristas, ou pessoas que já estão acompanhando a Formula 1 desde muito tempo: 15 carros despontaram na largada no dia 15 de Março.
  2. Categoria Mercedes: a diferença disparada da equipe Mercedes Benz vai soar repetitivo e chato de acompanhar as primeiras posições. Hamilton foi implacável, Rosberg fez seu papel. Parece, as vezes que eles fazem parte de uma outra categoria em uma mesma corrida.
  3. McLaren/Honda fraca: ou foi muita expectativa, ou foi muito otimismo. Talvez um pouco dos dois. Isso provavelmente ficou ainda mais evidenciado pela falta do Alonso na corrida. Fato é que a equipe tem muito o que evoluir, teria um resultado pior só se o Button não terminasse.
  4. Som dos motores: vai agradar quem reclamou do som dos motores no ano passado: os motores gritam mais alto esse ano. Não tanto quanto os V8, também por causa do giro, mas não desagrada.
  5. Brasileiros: A dupla dos Felipes se deram bem, em especial ao Nasr, lutou e conseguiu pontuar em seu primeiro GP, algo então inédito para um brasileiro na Formula 1. Já o Massa amargurou um 4° lugar pela estratégia da equipe.

Quer saber mais do Gp da Autrália? Confira os detalhes:

Vitórias de Alonso pela primeira passagem pela McLaren

Este resumo em espanhol mostra e explica sobre as quatro vitórias obtidas pelo asturiano pela primeira passagem pela escuderia de Woking.

Igual a Fama da marca, Ferrari de Fernando Alonso pega fogo

Foto: Reprodução / Twitter Formula1.com
Foto: Reprodução / Twitter Formula1.com

Não são todas as Ferraris que pegam fogo, mas vamos concordar que existem uma boa parcela de noticias mostrando uma Ferrari em algum lugar do mundo pegando fogo. E não foi diferente para o Alonso, nos treinos livres do Gp do Brasil, teve que dar uma de bombeiro. Alonso, como se fosse algo corriqueiro, com uma certa calma parece sair normalmente do monoposto (chega até colocar o volante de volta), corre pra pegar um extintor e resolve o problema antes da equipe de segurança chegar. Prático, não?

Veja o vídeo no Globo esporte!

Ricciardo e Alonso Barbudos no Gp dos Estados Unidos

Daniel Ricciardo postou dia 03 de Novembro sua “barba texana” usada no Gp dos Estados Unidos, ao lado do também barbudo Fernando Alonso:

“Provavelmente as duas barbas mais expressivas no grid” em tradução livre

Túnel do tempo: Fernando Alonso, então estreante pela Minardi, dando trabalho para o futuro colega de equipe Giancarlo Fisichella.